quinta-feira, 26 de novembro de 2015

SATAN



Reporter: "O que lhe vem a mente quando você acessa o Digital-Inferno?"

6 comentários:

  1. https://www.youtube.com/watch?v=OvHJBlf2M4g#

    ResponderExcluir
  2. Esse trecho é de um documentário, não? Acho que "Heavy Metal Journey"? Enfim, gosto é gosto, mas essas bandas de Black Metal não me agradam em nada, e não é pela temática anti-cristã e por vezes incitação à violência e tudo quanto é tipo de miséria, isso também não me agrada, fato, mas digo musicalmente mesmo, não consigo escutar uma música sequer. Acho que o mais perto que cheguei foi Bathory, que tem um ou dois álbuns mais extremos no começo da carreira, depois o Quorton começou com a temática viking e folclore escandinavo nos demais albuns, a meu ver, uma forma muito mais interessante e inteligente de exaltar a cultura deles e criticar o cristianismo, como em "One Road to Asa Bay", por exemplo!

    ResponderExcluir
  3. Sim é um trecho do Headbanger´s Journey, gostei desse documentário quando saiu, mas esses dias vendo de novo, achei um pouco infantil em certas partes.

    Cara Black Metal sempre é um assunto controverso. Eu gosto e também eu não gosto
    Gosto da sonoridade, das letras de algumas bandas que falam de um Satanismo pré- cristão, de algumas coisas niilistas, desse conceito de elite...
    Mas também não gosto de bandas exageradas, corpse paint que não assusta nem crianças, de atacar a igreja cristã de um modo infantil, da postura dos fãs, desse lance do cara se achar superior por gostar de Black Metal, mas quando vc vai trocar idéia com um cara desses percebe que é um idiota timido que mal te olha nos olhos e seus argumentos não sustentam essa "superioridade" toda. Claro que não são todos...costumo dizer que Black Metals de verdade você nem vê por aí com frequencia...

    Atacar a igreja catolica romana é bater em cachorro morto...a maioria de seus seguidores são pessoas idosas, jovens casais, pessoas de classe média e alta que são inofensivas...
    Quero ver atacar igrejas evangélicas por exemplo que é uma máfia cheio de ex..ex ladrão, ex traficante, ex assassino, cade que as bandas brasileiras atacam isso? Ou então atacar o Islã...então é muito blá blá sem atitude nenhuma, caso da Escandinávia que se acha muito foda, mas vem morar no Brasil pra eles verem o que é ser revoltado....lá é fichinha perto daqui. Alias aquele visual escandinavo do mal e aquela sonoridade todo mundo sabe de onde veio: De Minas Gerais com o Sarcofago fazendo isso desde 1985

    Aliás o Gaahl aí em cima passou por maus momentos na zona leste quando vieram tocar aqui, não me lembro que merda deu, mas eles sairam todos machinhos, putinhos na rua..quando deram de cara com aquele monte de jagunço Black Metal da zl.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo bastante com alguns dos pontos que ressaltou e também gosto do black metal. Mas não tenho muito apreço pela maioria dos seguidores, do pessoal da "cena". Existe uma certa teatralidade no black metal que, em doses controladas, é interessante, é legal. Mas a maior parte das pessoas exageram e chegamos a pontos que as coisas se tornam mais uma comédia do que algo realmente bom.

      Gosto muito da sonoridade de várias bandas, mas se for para a parte lírica da coisa, poucas me agradam. Muitas tem aquela coisa de adoração a Satã e aí não faz sentido para mim. Apesar de algumas das letras que canto terem coisas semelhantes, como "Ave Satã", é um contexto muito mais de se libertar de dogmas, usando o termo Satã com sua real etimologia: adversário, opositor. Assim como gosto de ler, gosto de letras que tenham mais a ver com conceitos mais complexos, maduros quando se trata de black metal.

      Excluir
    2. Aí o assunto vai longe...acho que quanto mais você estuda História (por isso sou fã do History e do H2) mais você vai "destravando" certas coisas...não é tão simplório do tipo: vc é ruim vai pro Inferno, você é bom vai pro céu...e por aí vai, a coisa é MUITO MAIS COMPLEXA que isso...

      Esse contesto de usar coisas satanicas para provocar e se libertar de dogmas eu acho legal, me lembra os motoqueiros americanos dos anos 60 e 70 que usavam um monte de quinquilharia Nazista com essa finalidade de chocar mesmo, de assustar a sociedade (hipócrita como sempre) e nem de longe os caras eram nazistas, aliás a maioria nem sabia aonde ficava a Alemanha ahahahahahaahhahahahaahhahahahah

      Excluir
    3. Quorthon falou algo nessa linha em uma entrevista, que tudo é feito para chocar e depois é absorvido. Os punks tinham seu visual agressivo como uma forma de se distanciar da sociedade e ao mesmo tempo chocar e provocá-la. Dentro de algum tempo foram absorvidos pela sociedade que os abominava. Os MCs passaram por isso. O black metal também. Na época da entrevista o Quorthon não devia imaginar algo assim, mas já vi blusa feminina com pentagramas ser comprada em loja do tipo de Riachuelo, C&A, Renner... o black metal já não é tão chocante mais. E de certa forma, isso não preocupa de maneira alguma, acho que isso é normal mesmo.

      Depois lanço uns sons nossos para você sacar, já que também é um apreciador.

      Excluir